quinta-feira , 21 novembro 2019
Você está aqui: Capa | Arquivos de Tag: abastecimento de água

Arquivos de Tag: abastecimento de água

Abastecimento – Estiagem provoca falta d’água em diversos bairros de Itabira

Saae aconselha população para uso consciente da água

A estiagem provocou, mais uma vez, falta d’água em diversos bairros da cidade. O sistema de abastecimento sofre com a escassez e o reflexo é nível baixo em todos os 60 reservatórios.

Enquanto as chuvas não chegam, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira trabalha com medidas paliativas para minimizar o problema, aliadas ao uso consciente. “A cidade inteira está sem água e não tem outro caminho a não ser economizar. O que o Saae pode fazer e faz é trabalhar com dois reforços na captação, um na ETA (Estação de Tratamento de Água) Gatos e outro na Pureza. Colocamos geradores a diesel com motobombas grandes em outros ribeirões, que normalmente não usamos, para tirar água e abastecer as ETAs. Fora isso, contamos com a chuva e o uso moderado”, reforçou Leonardo Ferreira Lopes, diretor-presidente da autarquia.

Ainda segundo ele, neste período o Saae realiza “manobras” para que todos os bairros recebam água regularmente, ou seja, liberando vazões por partes. “Ora para alguns bairros, ora alimentando outros. De tal forma que todos consigam ter água”, ressaltou Leonardo Lopes.

Solução

Para superar o baixo volume de água nos mananciais, já está em andamento o projeto implantado pelo Governo Municipal para resolver o abastecimento da cidade: construção do anel hidráulico para interligar os sistemas Gatos, Pureza, Três Fontes, Areão e Rio de Peixe; duplicação da ETA Gatos, que injetará mais 100 litros de água por segundo (l/s) na produção e a parceria público-privada (PPP) da ETA Rio Tanque.

Infelizmente a escassez de água é tradicional em Itabira. Há mais de 25 anos, isso é uma página que o atual governo está trabalhando para virar. Estas três ações, em conjunto, garantirão o fim da falta d’água que se arrasta ao longo dos anos e que são intensas nos meses de agosto, setembro e outubro”, ressaltou Leonardo Lopes.

De acordo com todos os estudos técnicos realizados, o projeto da ETA Rio Tanque é a única solução a longo prazo para o abastecimento municipal, já que serão acrescentados 200 l/s ao volume existente. Este aumento garantirá a estabilidade de água, para toda a cidade, pelos próximos 30 anos.

É o único caminho para a solução. Precisamos buscar a água do rio Tanque, que está há 21 quilômetros da nossa cidade. É uma obra em torno dos R$ 60 milhões, recurso que o Município não dispõe. Estamos buscando investimentos privados para executar a obra e o processo segue em licitação”, finalizou o diretor-presidente.

Foto: depois de anos sem investimento no sistema de abastecimento municipal, Prefeitura inicia construção do anel hidráulico, na estrada 105.

Primeira remessa – Material para construir anel hidráulico chega em Itabira

A Prefeitura recebeu nesta sexta-feira (24) a primeira remessa do anel hidráulico. O material, cerca de 255 tubos ou 1.530 metros, ficará estocado no estacionamento do Valeriodoce Esporte Clube, no bairro Campestre.

Para viabilizar o empreendimento, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira investiu aproximadamente R$ 3,4 milhões e adquiriu, por meio de licitação, mais de seis mil metros do material, o que corresponde a 1.020 tubos de ferro fundido de 400 milímetros. As próximas entregas, de acordo com informações da autarquia, acontecerão nos dias 16 de junho e julho respectivamente e, a última, no dia 15 de agosto.

Obra

O anel hidráulico compreende a construção de seis quilômetros de rede, ao longo da Estrada 105, para interligar os sistemas Gatos, Pureza, Três Fontes, Areão e Rio de Peixe. Na prática, segundo Leonardo Ferreira Lopes, diretor-presidente do Saae, o anel ligará o novo reservatório construído no bairro Campestre à adutora do Areão, já conectada aos reservatórios dos bairros Juca Batista e Fênix. “As principais vantagens do anel hidráulico, além de unificar o abastecimento, é distribuir a água de maneira justa e perfeita entre todos os itabiranos e, também, facilitar a gestão do Saae, permitindo um balanço hídrico ideal”.

 Para executar esta obra, atualmente em processo de licitação, será necessário investir cerca de R$ 2,8 milhões dos cofres públicos.

Investimento – Saneamento rural chega à comunidade de Palmital

Programa de modernização das redes de água e esgoto já beneficiou milhares de pessoas

No próximo dia 20, o programa de remodelação do abastecimento de água chega à comunidade de Palmital. Esta ação, implantada pela Prefeitura, começou em 2017 a partir da revisão tarifária determinada pela Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgoto (Arsae) de Minas Gerais que, já beneficiou também, os moradores das localidades Candidópolis, Estivas, Morro do Chapéu, Turvo, Ribeirão São José de Baixo e Campo de Gordura.

Esse amplo processo de modernização e correção do abastecimento tem como objetivo regulamentar o fornecimento da água em Itabira, começando pela zona rural. E é somente por meio destas ações, de acordo com informações do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae), a possibilidade de incluir a região rural no banco de dados e serviços da autarquia.

Para isso, é necessário construir poços artesianos, redes de distribuição, refazer as instalações hidráulicas e elétricas, instalar hidrômetros e, corrigir ainda, o afastamento das redes de esgoto. “A única maneira de prestar serviços de saneamento, tratar a água e fazer o seu controle social nestas localidades é por meio da hidrometração, pois, cada residência passa a arcar com o seu consumo, viabilizando as adequações necessárias de infraestrutura”, explicou Leonardo Ferreira Lopes, diretor-presidente do Saae.

Em vários locais da zona rural, segundo ele, a distribuição de água é injusta. “Por exemplo, residências situadas em vias mais altas ficam sem água quando o morador da rua de baixo tem uma piscina ou represa de peixe no quintal. A hidrometração favorece o uso consciente da água e passa a responsabilidade de todos os serviços para o Saae”, ressaltou Leonardo Lopes.

Outro ponto de atuação da autarquia é a legalização dos terrenos onde estão instalados os poços artesianos. “É necessário corrigir isso também, porque os poços geralmente estão em propriedades privadas. Fizemos cessões de uso ou desapropriações dos locais para construir as redes e adequar os reservatórios”, declarou o diretor-presidente.

Muito mais

Nos bairros Chapada e Boa Esperança, além da hidrometração e da correção de redes de esgoto, a Prefeitura está construindo uma Estação de Tratamento de Água (ETA) para resolver definitivamente o problema da falta d’água. De acordo com informações do Saae, a oferta do produto na região é insuficiente e o problema se agravou com o crescimento populacional do bairro nos últimos 12 anos, que continuou sendo atendida por apenas dois poços artesianos.

Para funcionar, a ETA Chapada irá captar água do córrego que passa pelo bairro, com uma vazão de 10 litros por segundo. “Acrescentando isso aos antigos poços artesianos, a produção será suficiente para atender de forma adequada a população dos bairros Chapada e Boa Esperança, afirmou Leonardo Lopes.

Mais uma ação para garantir a qualidade da água tratada, de acordo com o diretor-presidente, foi a construção de 60 fossas sépticas nas residências acima do local onde será implantada a nova ETA. Essas casas, que não tinham acesso a tratamento de esgoto, despejavam os dejetos no córrego – base da ETA. “Agora, os moradores contam com o benefício de fossas biodigestores e nós podemos garantir água de qualidade, além de gerar economia na saúde pública”, concluiu.

Em maio – Saae dará início à modernização de hidrômetros na área urbana

No próximo dia 2, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira dará início ao inédito programa de modernização dos hidrômetros ativos na área urbana do município. O objetivo é garantir o registro correto do consumo de água para os clientes e para a autarquia.

A ação, prevista para começar em fevereiro deste ano, foi adiada devido aos atrasos dos fabricantes no fornecimento das peças. No entanto, conforme o cronograma original, que segundo Leonardo Ferreira Lopes, diretor-presidente do Saae, continuará o mesmo, ao longo do ano serão trocados aproximadamente 12 mil hidrômetros.

Nesta mesma ação, o Saae também mudará o local de instalação do equipamento para que a fiscalização dos técnicos não dependa da presença do proprietário. Segundo dados da autarquia, cerca de 600 imóveis contam com o hidrômetro na parte interna.

O programa será executado pela empresa Hura, por meio de profissionais treinados, capacitados, uniformizados e devidamente identificados. É importante ressaltar ainda que a troca do medidor não gera obra e nenhum custo para o cliente. “Além disso, o proprietário será convidado a presenciar a ação e assinar a ordem de serviço sem qualquer gasto”, destacou Leonardo Lopes.

Em tempo

O processo começou com o envio de notificações – entregues pelos servidores do Saae –, divididas em 11 regiões. O primeiro lote contemplará os bairros Centro, Pará, Penha, Vila Paciência, Moinho Velho, Vila das Nações Unidas e Vila Cisne, que totaliza 1.426 aparelhos.

O hidrômetro é um equipamento de precisão utilizado para medir e registrar o consumo de água em um imóvel. Itabira conta com aproximadamente 33 mil aparelhos instalados pelo Saae e aferidos de acordo com as normas do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o que garante eficiência na medição dos volumes consumidos.

De acordo o diretor-presidente do Saae, o hidrômetro deve ser trocado a cada cinco anos por recomendação do Inmetro. “Porque é a vida útil do equipamento. Depois deste período, sua medição é inferior à realidade. Inclusive, identificamos alguns com mais de 30 anos de uso”, explicou Leonardo Lopes.

Ainda segundo ele, o atual modelo dos hidrômetros instalados na cidade é o velocimétrico, que oferece uma tecnologia desatualizada. A troca será para o modelo volumétrico, “que dará mais precisão aos registros, pois mede o volume preenchido na câmara interna, diferente do antigo, que mede por meio da velocidade do fluido que passa pela turbina”, ressaltou o responsável pela autarquia.

É necessário registrar que foi primeira vez que o Saae avaliou o parque de hidrômetros itabiranos e decidiu investir em um modelo melhor. A autarquia adquiriu também um software para definir o melhor momento e qual equipamento deve ser substituído. Com isso, o Município adotará, anualmente, a política de troca dos hidrômetros.

* imagem ilustrativa

Melhoria – Saae inicia troca de hidrômetros na área urbana

Neste mês, o Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira deu início ao inédito programa de modernização dos hidrômetros ativos na área urbana do município. O objetivo é garantir o registro correto do consumo de água para os clientes e para a autarquia. Ao longo do ano serão trocados cerca de 12 mil equipamentos.

O processo começou com o envio de notificações – entregues pelos servidores do Saae –, divididas em 11 regiões. Em seguida, decorridos 30 dias, profissionais treinados, capacitados e uniformizados instalarão um hidrômetro mais moderno. “Esse serviço não gera obra e nenhum impacto. O proprietário não terá custo e será convidado a acompanhar a troca”, explicou Leonardo Ferreira Lopes, diretor-presidente do Saae. A primeira região contemplará os bairros Centro, Pará, Penha, Vila Paciência, Moinho Velho, Vila das Nações Unidas e Vila Cisne, que totaliza 1.426 aparelhos.

Nesta mesma ação, o Saae também mudará o local de instalação do hidrômetro para que a fiscalização dos técnicos não dependa da presença do proprietário. “Hoje, nós temos mapeados 600 imóveis com hidrômetros internos. Vamos retirar o equipamento do lado de dentro dessas residências para a parte externa, de forma que o leiturista do Saae tenha acesso tranquilo e ininterrupto”, informou Leonardo Lopes.

Ainda de acordo com o presidente, o hidrômetro deve ser trocado a cada cinco anos. “Esse é o tempo recomendado pelo Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia) porque é a vida útil do equipamento. Depois deste período, a medição do hidrômetro é inferior à realidade. “Inclusive, identificamos alguns com mais de 30 anos de uso”, disse. Além disso, segundo ele, esta é a primeira vez que o Saae avalia o parque de hidrômetros itabiranos para investir em um modelo melhor.

A empresa que executará o serviço foi contratada em dezembro do ano passado. “Parte do recurso deste contrato vem da parcela do Fundo de Perdas, destacado em nossas tarifas e homologado pela Arsae (Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas Gerais)”, explicou Leonardo Lopes. Além da mão de obra e instalação do hidrômetro, este contrato contempla também a execução de novas ligações de água e esgoto. “Esse tipo de contratação é mantido desde 2017, pois quando assumimos o Governo Municipal tínhamos em torno de mil ligações pendentes. Hoje é zero”, ressaltou.

Saiba mais

O hidrômetro é um equipamento de precisão utilizado para medir e registrar o consumo de água em um imóvel. Itabira conta com aproximadamente 33 mil aparelhos instalados pelo Saae e aferidos de acordo com as normas do Inmetro, o que garante eficiência na medição dos volumes consumidos.

O modelo atual desses hidrômetros instalados é o velocimétrico, que, segundo Leonardo Lopes, “conta com uma tecnologia desatualizada e que tem sido substituída pelas melhores concessionárias de água do país”. A troca será para o modelo volumétrico, “que dará mais precisão aos registros, pois mede o volume preenchido na câmara interna, diferente do antigo, que mede por meio da velocidade do fluido que passa pela turbina”, explicou o responsável pela autarquia.

No ano passado, para garantir o andamento do programa de modernização dos hidrômetros, foi publicado no diário oficial do município o novo padrão de equipamento adotado pelo Saae a partir deste ano. O documento foi enviado também para todos os depósitos de construção situados em Itabira. “Ou seja, qualquer ligação de água a partir de fevereiro deverá ser com o novo modelo de hidrômetro”, salientou Leonardo Lopes. A autarquia adquiriu ainda um software para definir o melhor momento e qual equipamento deve ser substituído. Com isso, o Município adotará, anualmente, a política de troca dos hidrômetros.

*Imagem ilustrativa

Parceria Público-Privada – Prefeitura realiza primeira audiência pública para discutir projeto do rio Tanque

Na próxima quarta-feira (10), a partir das 17 horas, no teatro da Fundação Cultural Carlos Drummond de Andrade (FCCDA), o Conselho Gestor de Parcerias Público-Privadas (CGP) realizará a primeira consulta pública sobre a viabilidade da expansão do sistema municipal de abastecimento por meio da captação e tratamento de água do rio Tanque.

A construção deste projeto possibilitará a captação de 200 litros de água por segundo (l/s) e esse volume acrescido ao existente, garantirá uma estabilidade de água, para toda a cidade, pelos próximos 30 anos”, explicou Leonardo Ferreira Lopes, diretor-presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira.

No entanto, por se tratar de uma obra “caríssima”, em torno de R$ 53 milhões, a Prefeitura, por meio do CGP, decidiu buscar investimentos privados, a chamada parceria público-privada (PPP), ainda inédita em Itabira. “É comum em função da falta de dinheiro do órgão público, que mesmo com a possibilidade de pedir financiamentos, precisaria ter uma boa saúde financeira para a contrapartida e boa parte das prefeituras do país, incluindo a nossa, não têm essa saúde”, afirmou o presidente da autarquia.

Ainda segundo Leonardo Lopes, para criar uma eventual PPP o Município iniciou no começo do ano passado o Processo de Manifesto de Interesse (PMI), onde empresas são convidadas para produzir o modelo do projeto que será executado, sem custos para a Prefeitura. “Esse modelo é a fase mais difícil, já que precisa ser elaborado por especialistas. O nosso ficou em análise pelo CGP durante quase um ano devido à complexidade, mas recebeu parecer favorável. Agora, a empresa que o fez negociará o valor deste modelo com a empresa que vencer a licitação para a execução do projeto rio Tanque”.

A continuidade do processo, como explicou Leonardo Lopes, é a consulta pública. Este evento acontecerá para que o projeto seja apresentado ao vivo para vereadores, especialistas e população em geral. “Tudo isso já foi publicado oficialmente, mas a consulta é o momento que as pessoas poderão tirar dúvidas. Além disso, caso apareça alguma contribuição importante e o conselho aprovar, ela será incorporada ao projeto. E se tudo der certo, passamos para a parte da licitação”, avaliou o diretor-presidente que declarou também a meta de licitar a obra ainda este ano, com previsão para concluí-la em dois anos.

Rio Tanque

O projeto da Estação de Tratamento de Água (ETA) do Rio Tanque, segundo Leonardo Lopes, é a única solução a longo prazo para o abastecimento municipal. “Precisamos buscar uma água que está a 21 quilômetros do município. Nosso objetivo é que ela chegue no reservatário novo do bairro Campestre. Isso garante água por, pelo menos, mais 30 anos”. O diretor-presidente afirmou também que com essa nova fonte a cidade terá capacidade para atrair novas indústrias e investimentos.

Informe-se

O Conselho Gestor de Parcerias Público-Privadas foi criado por meio da Lei Municipal nº 4.686/2014, alterada pela Portaria nº 34/2018, e é presidido pelo prefeito Ronaldo Magalhães. São membros os secretários municipais Ronaldo Lott Pires (Obras, Transportes e Trânsito), Deoclécio Fonseca Mafra (Administração), Marcos Alvarenga Duarte (Fazenda), Geraldo Rubens (Planejamento), José Don Carlos Alves Santos (Desenvolvimento Econômico), Priscila Braga Martins da Costa (Meio Ambiente), Robson Costa de Souza (Desenvolvimento Urbano), Leonardo Souza Rosa (Jurídico) e, como convidado, Leonardo Ferreira Lopes (Saae).

Foto: DeFato Online

Nova rede – Prefeitura resolverá falta d’água na região do bairro Hamilton

A partir de hoje (14), os moradores da região do bairro Hamilton receberão uma carta do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira comunicando o início das obras de substituição da rede de água na próxima segunda-feira (20). Esta subadutora, quando rompida, impede também o abastecimento dos bairros Machado, João XXIII, Valença e parte do Amazonas.

Serão refeitos cerca de mil metros de rede com nova tubulação em ferro fundido, substituindo o PVC. O novo material, como explicou Leonardo Ferreira Lopes, diretor-presidente do Saae, é mais adequado para suportar a pressão da água nesta região, fato que reduzirá “drasticamente” os riscos de vazamentos. “Há alguns anos o Saae tem problemas com esses rompimentos, porque é uma rede mais velha e não dimensionada para a pressão (de água). No final do ano passado, tivemos sérios problemas com o abastecimento nesses locais”. O diretor-presidente declarou ainda que esta obra foi motivada a partir do sofrimento vivenciado pela população. “Foram seis dias sem água para os moradores de cinco bairros praticamente”.

O serviço será concluído em até cinco meses. No entanto, a previsão do Saae é de terminar em 45 dias. “Se não tiver surpresa pelo caminho, já que em Itabira as redes são antigas e os ativos de saneamento são enterrados e não havia a preocupação de fazer o cadastro para localizá-las”, explicou Leonardo Lopes. Devido aos transtornos que a obra causará, a autarquia terá o apoio da Superintendência de Transportes e Trânsito (Transita) para organizar o tráfego.

Obra

Será executada na rua Daniel Jardim de Grisolia, em três fases. O primeiro trecho compreenderá o início da rotatória com a avenida Brasil até a rotatória da rua Santinho Linhares. Em seguida (fase dois) os serviços continuarão até a travessa Avelar Machado. Este trecho ficará liberado para os veículos que descem, sentido bairros Valença e Machado. Para subir, sentido bairro Amazonas, os condutores serão desviados para a travessa Avelar Machado e rua Santinho Linhares, retornando então, à rua Daniel Jardim de Grisolia.

Na última fase, a obra seguirá até a rotatória com a rua Gameleira. Por se tratar de um local com trânsito mais “complexo” e sem vias de acesso próximas, segundo Edivânia Fernandes das Mercês, diretora de Educação e Controle de Trânsito, será utilizado o sistema de pare e siga. Além disso, agentes de trânsito estarão na região para orientar motoristas e pedestres.

Coletiva de imprensa – Prefeito apresenta o novo sistema de abastecimento de água

Depois de inaugurar, no domingo (8), a nova Estação de Tratamento de Água (ETA), em Senhora do Carmo, o prefeito Ronaldo Magalhães convocou a imprensa, nesta terça-feira (10), em seu gabinete, para apresentar o andamento das outras obras referentes ao abastecimento de água municipal. Participaram da coletiva, a vice-prefeita Dalma Barcelos, o diretor-presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) Itabira, Leonardo Ferreira Lopes, os secretários municipais Ronaldo Pires Lott (Obras, Transportes e Trânsito), Ilton Magalhães (Governo), Fernando Muniz (Auditoria e Controladoria), o assessor Celso Matosinho da Silva (Gestão, Programas e Metas) e o vereador Solimar José da Silva, representante do Grupo da Água.

A obra de ampliação da ETA Gatos – 66% concluída – começou pela captação de água na barragem Santana e, depois de concluída, irá injetar mais 100 litros por segundo (l/s) no abastecimento de água tratada no município. De acordo com o secretário Ronaldo Lott, a finalização da obra depende da instalação de peças, conexões e da rede elétrica, “que será feita pela Cemig (Companhia Energética de Minas Gerais) nos próximos meses”, explicou. Ainda segundo ele, se as instalações forem feitas antes da parte elétrica, “corremos o risco de furtos. Lá é uma área isolada. Então, esperamos fazer em conjunto. No mais, já resolvemos as principais pendências de indenização, tudo está resolvido”, frisou o secretário de Obras.

Também em construção, segundo informou Ronaldo Lott, a Unidade de Tratamento de Resíduos (UTR) está 95% concluída. “Conforme legislação, toda ETA tem que ter essa estrutura. Então, o conjunto da nova ETA inclui também a UTR que vai tratar os resíduos da ETA antiga e da nova”. No entanto, no que compreende a estrutura da ETA Gatos – reforma da ETA antiga, mais a UTR e a nova tubulação – “concluímos 52% das obras”, ressaltou o secretário. Sobre a tubulação, Ronaldo Lott explicou ainda, que já existe uma que atende a ETA Gatos, “mas, estamos fazendo uma nova tubulação para levar essa água (100 l/s)”.

Durante a coletiva foi apresentado um vídeo e o secretário de Obras mostrou que a nova tubulação passou pelo bairro Pedreira e está parada onde começa o trecho de responsabilidade do Departamento de Edificações e Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DEER/MG). Segundo Ronaldo Lott, o projeto apresentado e analisado pelo DEER, passa por alterações. “De sete a dez dias eles nos darão essa autorização para fazer a travessia para o lado esquerda até chegar na área da Vale”. A tubulação também no lado esquerdo, de acordo com o secretário, será colocada junto com um projeto de iluminação pública, além de uma calçada. “Temos a expectativa de iluminar da Vale até o Pedreira, fazendo um passeio ali. Isso está alinhado com o DEER. Fizemos o projeto da ETA pensando nisso para o futuro”.

Sistema integrado

A construção do reservatório de água no bairro Alto dos Pinheiros – com capacidade para 2,6 milhões de litros – já concluiu a parte externa do empreendimento. O novo reservatório, que passa pelo processo de impermeabilização interna, será abastecido com a água tratada da ETA Gatos e, segundo Ronaldo Magalhães, vai resolver grande parte o problema da água, principalmente para a população dos bairros Campestre, Bela Vista, Nova Vista, Eldorado e São Francisco, que contará com abastecimento normal mesmo no período de estiagem. “Com esta obra pronta, temos condição de amenizar o problema da água. Acreditamos que vamos resolver isso por um período de até cinco anos”, avaliou o prefeito.

Ainda segundo Ronaldo Magalhães, a Prefeitura busca alternativas e projetos para angariar recursos para a construção do anel hidráulico. “Que é a ligação desse novo reservatório com o reservatório do Areão, que já é interligado ao Juca Batista. Esse anel vai passar pela 105 (estrada), para interligarmos todo o sistema de água de Itabira”, analisou. De acordo com ele, “não há comunicação entre esses dois lados da cidade. Então, se falta em um, não tem jeito de transferir ou inverter o processo de abastecimento”.

Para uma solução definitiva, segundo Ronaldo Lott, é necessário executar o projeto do rio Tanque. “São recursos elevados que o governo ainda está analisando. Quando tivermos todo esse sistema, que está sendo feito agora, com essa reservação grande, com o anel hidráulico e com a captação do rio Tanque poderemos dizer que Itabira tem um sistema integrado de água. Hoje não temos”, concluiu o secretário.

O prefeito afirmou que os estudos para a captação no rio Tanque estão avançados. “É uma outra obra que vamos começar a trabalhar agora. O projeto deve ser feito por meio de uma parceria público-privada, mas ainda não temos isso fechado. Vamos caminhar com isso para iniciarmos essa obra em um futuro breve”.

Em tempo

O estudo para executar o anel hidráulico, que compreende a construção de seis quilômetros de rede para interligar os sistemas Gatos e Pureza, tem um custo estimado de R$ 4 milhões. Já o projeto para a Estação de Tratamento de Água (ETA) do rio Tanque custaria, segundo os estudos, aproximadamente R$ 80 milhões. A possibilidade, de acordo com o Saae, é uma Parceria Público-Privada (PPP) para realizar esses empreendimentos.

Água de qualidade – Prefeitura inaugura nova ETA em Senhora do Carmo

Os moradores de Senhora do Carmo terão mais quantidade de água e com mais qualidade a partir deste domingo (8), quando o prefeito Ronaldo Magalhães inaugura a nova Estação de Tratamento de Água (ETA) do distrito, às 10 horas.

A Prefeitura investiu, no total, R$ 708.944,89 neste empreendimento. A nova ETA produz 15 litros de água por segundo, com capacidade para atender a cinco mil habitantes. Para o prefeito, esta obra, iniciada em agosto do ano passado, irá solucionar o problema da qualidade da água em Senhora do Carmo, “já que a atual ETA foi instalada há 30 anos e não comporta mais a demanda”, ressaltou. Ronaldo Magalhães lembrou ainda, que a ETA era uma reivindicação atinga da comunidade, “que agora contará com mais volume de água totalmente tratada. Isso é uma questão de saúde pública, pois o Carmo recebia água de má qualidade há algum tempo”.

Prefeitura recupera poço artesiano do Areão

Conforme anunciado pelo diretor-presidente do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae) de Itabira, Leonardo Ferreira Lopes, no final do mês passado, parte da reforma de um dos poços artesianos do Sistema Areão de Abastecimento – paralisado desde janeiro de 2016 – será concluída hoje (27).

A obra, inciada na quinta-feira da semana passada (21/9), tem como objetivo aumentar em até 21 litros por segundo (l/s) a capacidade de produção de água no local. De acordo com Leonardo Lopes, “o poço estava paralisado aguardando manutenção, que estava orçada em R$ 150 mil na gestão passada. Então, fizemos a licitação este ano e vamos executar o serviço por R$ 86 mil”. Ainda segundo ele, o funcionamento do poço estava comprometido devido ao excesso de areia. “Esta etapa da obra resume-se na execução de 168 metros de tubulação de aço de oito polegadas, de 100 metros de filtro galvanizado, sopro e limpeza. Estes serviços estão previstos para terminar hoje”, explicou o presidente da autarquia.

Já na próxima semana, a última etapa da obra será o fornecimento da água, por meio da instalação de uma nova bomba, “que garante os 21 l/s em nossa produção, volume suficiente para atender a cinco mil pessoas”, concluiu Leonardo Lopes.

Scroll To Top