Você está aqui: Capa | Ação Social | Programa Conexão Jovem atuará com pais e alunos da rede municipal de ensino
Programa Conexão Jovem atuará com pais e alunos da rede municipal de ensino

Programa Conexão Jovem atuará com pais e alunos da rede municipal de ensino

A Prefeitura de Itabira lança amanhã (20), às 9 horas, no auditório da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente (SMDUMA) – Mata do Intelecto – o programa Conexão Jovem, que desenvolve ações de atenção integral ao jovem.

Em parceria com as secretarias municipais de Educação, Saúde e Assistência Social, o programa faz parte da rede de proteção à criança e ao adolescente e, em novo formato, dará continuidade aos antigos Programa de Educação Afetivo-sexual (Peas) e Vale Juventude, desenvolvidos em parceria com a mineradora Vale, entre os anos 2003 e 2012.

De acordo com a coordenadora do programa, Lucimara de Cássia Ferreira Santos, o objetivo é discutir temas inerentes ao público jovem com os alunos, os pais e com a comunidade. “Queremos melhorar as relações entre jovens e adultos nas instituições e na família”. O programa, segundo ela, ainda possibilita desenvolver ações das três secretarias envolvidas – SME, SMS e SMAS – já que aborda os temas violência doméstica, sexual e contra a mulher, álcool e drogas, bullying, saúde sexual e reprodutiva, diversidade sexual, transgêneros etc. Além da rede municipal de ensino, o Conexão Jovem atuará nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos bairros Juca Rosa, Santa Marta/Santa Ruth, Barreiro e Água Fresca e nos Centros de Referência e Assistência Social (Cras) dos bairros Gabiroba, Pedreira, Santa Marta/Santa Ruth e Jardim das Oliveiras.

Em princípio, como informou o secretário municipal de Educação, José Gonçalves Moreira, o programa será desenvolvido em cinco escolas municipais identificadas com maior número de alunos em situação de vulnerabilidade social – escolas municipais Antônio Camilo Alvim, José Gomes Vieira, Professora Antonina Moreira, Marina Bragança e Didi Andrade – para estudantes entre 10 e 16 anos.

Ações

Encontros de adolescentes, de pais, caminhadas, blitzen, visitas às entidades e reuniões dos profissionais envolvidos no desenvolvimento do programa são as ações previstas, até o final do ano, para fortalecer a rede de cuidados aos jovens e adolescentes e “promover a participação democrática de todas as pessoas interessadas nesta temática”, ressaltou Lucimara Santos.

Temas

No início do ano letivo, a Prefeitura realizou uma pesquisa com os alunos dessas escolas municipais, onde um formulário virtual foi respondido por 1.206 alunos – meninos 53,6% e meninas 46,4% – entre as perguntas, os adolescentes responderam sobre felicidade, sendo que 90,7% se consideram felizes e 9,3%, infelizes. Sobre a perspectiva para o futuro, 49,3% estão otimistas, 45,6% muito otimistas, e 5,1% se sentem pessimistas.

No entanto, com relação ao tema drogas lícitas e ilícitas, 90,8% dos participantes nunca usaram, 4,3% fazem uso de álcool e 2,6% de maconha. Também foram citados “Loló” (0,9%), cigarro (0,4%), outras drogas (0,4%) e crack (0,3%). Drogas já foram oferecidas a 22,1% dos alunos e 77,9% nunca foram abordados.

Sobre sexualidade, 84,1% dos participantes nunca tiveram relações sexuais, contra 15,5% que responderam à pesquisa terem tido. 84,3% dos alunos não utilizam nenhum método contraceptivo e de prevenção às Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs); 13% usam camisinha, 1,8% outros métodos e 0,9% fazem uso da pílula anticoncepcional. Um dado preocupante, segundo Lucimara Santos, é que 83,2% dos alunos não sabem o que são DSTs e apenas 16,8% afirmaram saber.

Os adolescentes também foram questionados sobre violência e 81,1% nunca sofreram, contra 18,9% que passaram por algum tipo de agressão – 12,2% (verbal), 8,5% (física), 3,4% (emocional), 0,9% (outros), 0,7% (sexual) e 74,3% (nenhuma).

Ainda de acordo com o diagnóstico, os alunos citaram os assuntos que devem ser discutidos na escola. Bullying (68,6%), violência e abuso sexual (61,5%), álcool e outras drogas (59,3%), preconceito racial (53,3%), gravidez não planejada (43,3%), autoestima (36,5%), projeto de vida (35,6%), família (32%), relação de gênero (22,9%) e outros temas (2,6%).

Como o tema mais citado na pesquisa, segundo a coordenadora Lucimara, foi o bullying, na última segunda-feira (17/04), o grupo gestor do programa Conexão Jovem se reuniu para definir como o assunto será abordado. “Então, até 17 de maio, faremos palestras e oficinas sobre bullying nas escolas, nas unidades de saúde e nos Cras”. A coordenadora também anunciou que o primeiro encontro do programa com os pais, acontecerá no dia 27/05, na Escola Municipal Marina Bragança de Mendonça, no bairro Santa Marta. “Apresentaremos a palestra Violência Sexual e Doméstica e, em seguida, faremos uma oficina com eles”, concluiu Lucimara Santos.

Os comentários estão fechados.

Scroll To Top